Aqueles filhos da puta do Charlie Hebdo

Tempo de leitura: 1 minuto

Bem feito! Não, não estive presente no ataque ao jornal francês, mas sinceramente, foi bem feito. É que há tempos eles vêm satirizando a nossa religião, e o nosso querido profeta Maomé. Eles não nos respeitam, e acham errado quando vamos lá e os atacamos.

Agora, se você pensar bem, vai entender que o ataque é recíproco, nós só temos uma forma diferente de agir. Eles nos atacam com desenhos, nós atacamos com tiros. Não adianta vir reclamar depois e falar da liberdade de imprensa, liberdade é um caralho. Você acha que é legal ficar lendo um jornal que fica falando mal da sua religião? O problema é que somos muçulmanos e vocês não estão nem ai pra nós. Que tal eu desenhar Jesus com um pênis na boca e outro no cu? Parece bom? Se você é católico ou protestante com certeza irá me odiar.

Está percebendo como o jornal não está 100% certo. Antes de me despedir gostaria inclusive de dizer que sou contra sair matando pessoas que fizeram algo errado contra a gente, acho correto usar os meios legais, como a justiça. O que quero deixar bem claro é que nenhum dos dois está certo, nem o jornal, nem nós muçulmanos.

Precisamos entender que necessitamos aprender a respeitar a religião dos outros, mesmo que eu ache a sua religião uma porcaria e a minha seja a correta. Não adianta nada nesse momento estarmos a favor do jornal, ou contra ele. Já assistiu o filme Invictus? Percebeu como Mandela precisou respeitar aqueles que o tinham maltratado para poder finalmente unir todos, mesmo com suas diferenças?

Então, respeito é nada mais que isso. Precisa vir dos dois lados. Espero que mais ninguém precise morrer para a gente perceber isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *