Virgindade e religião

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Gostaria de saber do livre-arbítrio que me ofereceram? Onde é que está o negócio de que posso fazer minhas próprias escolhas? É que estão-me dizendo que não posso escolher perder minha virgindade, que devo casar donzelo e só adentrar a vagina da minha doce e amada mulher depois do casamento.

Também dizem que o sexo é somente para fazer filhos. Mas e se eu não quiser filhos, terei que morrer virgem? Será mesmo que não posso usar camisinha, seja com minha amada ou com a gostosa que encontrei na rua. Será mesmo que o sexo não pode ser aproveitado para relaxar, espairecer e se sentir melhor. É o que os cientistas afirmam.

Mas meu problema não é com sexo em si, é com a virgindade. Como que eu vou conhecer sobre sexo se nunca o fizer, se nunca me masturbar, se nunca masturbar minha namorada, se nunca colocar meu pirulito na xavasca dela. Como posso um dia dar prazer a minha mulher se nunca treinar. Ah, é mesmo, esqueci que o sexo é só para procriar.

Acho errada essa ideia de que devo casar virgem. Acredito que me deveria ser dado a escolha de fazer isso ou não, de poder decidir. Eu não queria que me fosse imposta por uma doutrina religiosa o que devo ou não fazer. Assim, se quisesse, transaria com a Manuele, a Thaís ou com a Pâmela, e não precisaria escolher uma para perder minha virgindade, e me casar com ela para fazer isso.

E se de repente ela não fosse tão boa de cama? Será que o sexo também não é importante para um casamento? Será que só o fato de estarmos com uma aliança no dedo já resolve tudo? É preciso pensar sobre outras coisas.

Quero poder transar com diversas garotas, e lá no futuro escolher uma para transar mais regularmente. Quero poder fazer garotas diferentes sentirem orgasmos, e que dessa forma eu não vá para o inferno. Quero poder perder minha virgindade e tirar o cabaço de outra garota, como o daquela magrinha novinha que ainda acredita no amor eterno.

Quero estuprar garotas com seus consentimentos. Assim como quero também gostar tanto de uma garota que meu coração chegue a doer. Quero fazer todas essas coisas, e mesmo assim poder transar com cada uma delas. Não quero que o sexo seja uma obrigação do matrimônio, e que isso torne minha vida num inferno.

A virgindade é somente algo que ainda não fizemos. Um dia perdemos nossa virgindade de água, de arroz, de bicicleta, de estudar, de escrever, de ler, de falar, de andar, de comida chinesa e de beijar. Falando em beijar, tem gente que está deixando o beijo somente para depois do casamento também. Mas e se ela não beijar bem, e se o beijo dela não me deixar com as pernas bambas, e se o suor dela não me fizer querer comer aquele corpo delicioso?

Acredito que perder a virgindade faz parte de avançar uma fase, conhecer a si mesmo, e deixar coisas para trás. Faz parte também de viver melhor, de conhecer outras pessoas e não ficar pensando mais se essa é a pessoa certa para perder a virgindade. A pessoa certa não existe, por isso perca sua virgindade assim que aparecer a oportunidade e tiver vontade, sem julgamentos, nem seus, nem de religião nenhuma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *