A ilusão do livre-arbítrio

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Vivemos em um mundo cercado de tecnologia, de coisas para fazer e de mulheres para comer. Segundo nos informam podemos escolher essas coisas ao nosso bel-prazer, pois temos uma coisinha que aquele senhor nos deu chamada livre-arbítrio, que é nada mais do que dizer que podemos escolher fazer o que quisermos.

Mas será mesmo que podemos, será mesmo que isso existe? Para isso desafio você a encontrar na bíblia alguma citação dizendo a palavra livre-arbítrio, mas é na bíblia em formato papel, e não nas dá internet. Pois nas dá internet você encontrará muitos, mas quando vai olhar no livro, não tem essa palavra lá.

Sabe por que isso acontece? Porque o livre-arbítrio de fato nem existe para a bíblia, foi uma ideia criada depois. Mais precisamente 200 anos após os últimos escritos bíblicos, onde Santo Agostinho criou o conceito para justificar seu passado de gastar muito dinheiro em orgias, jogos de azar e bebedeiras.

Se de fato olharmos podemos perceber que realmente ela nem existe. Imagine comigo, o livre-arbítrio diz que tenho capacidade para escolher fazer o que quiser, mas olhando bem não posso comer minha vizinha, não posso ficar nu, e não posso trair minha mulher. Talvez você diga que posso sim, mas que essas atitudes irão-me trazer uma consequência. E se é assim, que mané de livre-arbítrio é esse, que irá-me castigar por uma coisa que eu poderia fazer.

A questão é a mesma da liberdade. A liberdade é uma mentira, ninguém é totalmente livre, sua liberdade não pode ferir as do outro. Suas escolhas não podem machucar as escolhas do outro. Por isso que o livre-arbítrio é também uma farsa.

Ninguém de verdade tem essa capacidade de fazer o que quiser, todos deveriam, mas infelizmente não é assim que acontece. Nisso você deve também pensar um pouco, pois uma coisa é o que a sociedade diz que você pode ou não fazer, e outra é o que a lei diz. Sei que a lei é fruto da sociedade, mas nem tudo que a sociedade abomina está na lei.

Por exemplo, a sociedade me diz que não posso andar na rua mostrando minhas partes íntimas, tudo bem, existe uma lei para isso. Contudo em outro caso a sociedade me diz que porque sou pobre, nunca poderei ser dono de uma grande empresa, só que nenhuma lei me impede disto.

É a mesma hipocrisia que acontece na religião. Deus disse que tenho liberdade para escolher o que quiser, mas de repente ele me apresenta seus dez mandamentos, e diz que se eu não cumpri-los vou para o inferno. Que liberdade de escolha é essa? Em pleno século 21, Deus ainda pensa dessa maneira, mas que coisa.

O mundo está evoluindo, o que antes era regra hoje é apenas pó. Hoje em dia comer minha vizinha casada é algo aceitável, não correto, mas aceitável. O máximo que vai acontecer é ela se divorciar do marido e ir arrumar outro cara pra ela. Assim como é aceitável que eu tire a virgindade de uma garota e não precise casar com ela.

Vamos acordar e perceber que não é mais época da inquisição. O livre-arbítrio é uma farsa porque existe uma coisa chamada lei, que devo cumprir ou vou para o xilindró. O livre-arbítrio também é uma farsa para os religiosos porque existe a lei divina, e essa não permite que eu escolha o que quiser.

9 Comentários


  1. Que texto raso, cara. Pensei que algo relevante sairia mesmo daqui.

    Você pensa liberdade como um fim, não como uma condição. Ou seja, você não pensa tão diferente de um mao tse tung, que, além de ser ateu, socialista e achar aceitável a conduta de um pedófilo (evolução social?), tinha muito mais liberdade do que os seus subordinados. Melhor dizendo, sua liberdade dependia da subserviência deles.

    A liberdade é uma condição, não um fim em si mesmo, pois ninguém que toma uma atitude o toma sem considerar os riscos, a não ser que se trate de um louco. Ex.: Você é livre para pular de um avião, mas só um idiota faria isso, a menos que se trate de um PQD bem equipado.

    Você chama Deus de hipócrita porque te deu liberdade para escolher entre o certo e o errado e, ao mesmo tempo, mandamentos para seguir? Você é louco? Ouvir um instrutor dizer a você o que deve fazer é o mesmo que te colocar numa cadeia?

    Em primeiro lugar, se Deus existe, ele é moralmente superior a você. Portanto, você não tem capacidade de se equiparar moralmente a Deus.

    Em segundo lugar, se Deus existe e te deu liberdade de escolha quanto aquilo que é certo ou errado, mesmo que Ele aponte o certo e o errado pra você, isso só mostra o quanto Deus é bom e quer que você seja maduro e responsável quanto às suas escolhas (ao contrário dos governantes socialistas totalitários, que cerceavam sua livre escolha e coletivizam tudo, inclusive a moral). Mostra também o quanto você e eu somos limitados e tendenciosos ao mal, pois o próprio Deus precisa nos mostrar o que é o certo e o que é errado.

    Aliás, você acha mesmo que o certo e o errado fazem sentido sem Deus?

    Pense melhor no assunto. Liberdade requer responsabilidade. E a culpa vem de uma atitude errada. Sem culpa, não há responsabilidade e humanidade, somente psicopatia.

    É liberdade é uma condição e um direito, não um privilégio.

    Nada do que você disse aponta hilocrisia da parte de Deus ou da religião.

    Responder

    1. Hahaha!
      Primeiro, se Deus é superior a mim, e não posso falar dele, você também não pode querer me impor o que você “acredita” que Deus pensa. Segundo, no texto falo que Deus não nos dá escolha, ou opção, pois se eu tiver atitudes erradas irei para o inferno, isso não é escolha. Isso ai é dizer que eu estou certo, e se você não seguir a mim vai se dar mal, mas vou deixar você com a ilusão de que pode fazer o que quiser, mas não pode.

      Fora isso meus argumentos estão presentes no texto. Abraço e fique com Deus! Haha

      Responder

      1. Num mundo em que Deus não exista ainda sim suas escolhas trarão consequências. Como ele bem disse, você pode pular de um avião no meio de um voo mas certamente não fará isso correto? Porque você morreria não é? Você tem a liberdade de pular, mas a consequência virá de qualquer forma caso faça. Você tem a liberdade de matar alguém, mas também sofrerá as consequências de seus atos. Ação e reação é da física. Certas coisas são incompatíveis com a natureza de Deus, portanto ele as apontou para que não erremos. Nos mostrar um caminho certo não é obrigar-nos a segui-lo, só é burrice não seguir. O caminho mal traz consequências más, no caso divino o Inferno. Qualquer ser por menos inteligente que seja consegue entender. “Tudo me é licito realizar, mas nem tudo me convém” Se eu quero ir pro céu, por que raios desviaria desse caminho? Sem sentido!!

        Responder

    2. Bruno acho que você está redondamente enganado. Você gosta de matemática? O que vem depois de dois? O que vem antes de dois? E o que você fez, você pode mudar?

      Responder

  2. O texto está correto. Tão correto que não conseguem aceitá-lo, pois nunca tinham pensado nisso antes. E esta ideia apavora quem acredita no livre arbítrio, ´pensado ser algo bom. Mas não é bom! Não haver livre arbítrio não piora nossas vidas. Isso não tira nosso direito a fazer boas escolhas. Quem renegou o texto usou de argumentos totalmente irrelevantes para o caso. O mais curioso é que ele disse o óbvio. Quase impossível entender como as demais pessoas ainda viram o que ele disse. Pois não virem e querem continuar sem ver. Ele foi atacado! Prova que realmente ele nem mesmo tem a liberdade de expor seus pensamentos. Parabéns ao Fernando. Bom demais ver pessoas acordando. E obrigada pela história do Santo Agostinho. Eu não a conhecia. Ela explica tudo.

    Responder

  3. Perdoem-me, mas Deus e uma invenção do Homem.

    Imaginem: qual a religião de um bebê um mês antes de nascer. E qual será quando ele vier a ter 12 anos. Quem dará a ele as primeiras palavras sobre Deus?

    Portanto: muito se fala e se discute. É uma tremenda balela isso tudo.

    As pessoas acreditam em religião e em Deus(que não existe) por medo…, isso mesmo e encontrem um sábio para provar diferente do que disse ai acima..

    Responder

  4. Me perdoem aqueles que acreditam em livre arbítrio, Tenho 69 anos e com vinte anos apesar de ser religioso e crer na Biblia que o livre arbítrio existe,mas nenhuma religião explica fatos como eu vou narrar. No ano 1968 , eu com menos de vinte anos de idade fui empregado numa metalúrgica como ferramenteiro e logo fiz amizade com um rapaz da mesma idade minha e aos poucos me confidenciou sua vida. Me dizia que sempre teve dificuldades financeiras e que casara novo e tinha um filhinho com um aninho de idade, mas não tinha tempo para brincar com o menino porque tinha que trabalhar em horas extras para manter o aluguel de uma meia agua, alimento para a familia e tinha comprado uma lambreta para se locomover para economizar passagens de onibus. Numa quinta feira que precede a sexta feira santa recebemos o salário e decidimos sair sem fazer horas extras para fazermos compra da páscoa. Na segunda feira, eufórico me contou que na quinta se dirigiu a um mercado e ao desembarcar de sua lambreta notou que em frente ao mercado tinha outra lambreta igual a sua, vermelha e branca,porem tinha estribos cromados e a sua não tinha. Adentrou no mercado e quando comprava carne no açougue ouviu dois estampidos e alguem gritou que o dono do mercado tinha sido assassinado, então assustado ele saiu por uma porta lateral, montou em sua lambreta e foi embora assustado. Ele ainda me contava detalhes quando nosso patrão chamou ele dizendo que a policia estava lhe procurando e ele foi ver do que se tratava. Os policiais colocaram sua lambreta em cima de uma caminhonete e levaram ele até o mercado do ocorrido. Mal sabia ele que nunca mais veria sua esposa e seu amado filho. Lá chegando, algumas testemunhas disseram que a lambreta era aquela do assalto em que o criminoso assassinou o dono do mercado. A partiir de então levaram ele para a prisão e vedaram visita de parentes. Bateram muito nele para confessar o crime e mesmo sem a prova principal que era a arma de fogo em menos de um mes foi levado a julgamento e o juri sem piedade o acusaram e o juiz determinou 20 anos de prisão fechada num presidio agricola com direito a um terço da pena caso houvesse bons procedimentos, e e o jogaram numa cela fria e o obrigaram a trabalhar na lavoura. No desespero de não ver sua familia acabou perdendo os direitos de um terço porque agredia outros presos que zombavam dele. Se passaram 18 anos e um novo assalto com morte aconteceu e os verdadeiros culpados confessaram o crime que ele estava pagando. Ainda assim com a morosidade da justiça ainda ficou mais um ano preso. Quando foi libertado correu em busca da familia, mas seus pais ja tinham falecido e sua esposa havia sumido com seu filho, que possivelmente se juntara com outra pessoa, talvez até acreditando que ele era culpado e ele não encontrou e nem soube do paradeiro de sua familia. Um dia eu, andando pela cidade o vi deitado sob uma ponte comendo restos de pão duro que sobrara dos cães das ruas. Em menos de um ano ele faleceu desolado e enterrado como indigente. Onde estava o livre arbítrio deste moço e da familia dele? Ele queria isso? Muitos casos assim acontece e estudiosos da Biblia e Teologias, padres, pastores, bispos, papas etc tentam encontrar respostas, e apoiados em capítulos e versículos dão respostas evasivas que não convence ninguem. Particularmente acho que nosso cérebro ja esta programado e agimos exatamente como somos ordenados. A melhor prova disso é que quando nascemos não pudemos escolher Pais, Cor, Nacionalidade, sexo, situação financeira e até com quem casamos vem ao nosso encontro e ainda assim não sabemos como e quando vamos morrer e para onde iremos pós morte. Talvez exista um livre arbítrio controlado como se fossemos um cachorrinho que seu dono o coloca coleira e leva para beber agua numa fonte. Quando corremos nosso dono nos enforca com a correia, quando queremos nos desviar, somos puxados, quando paramos a correia nos machuca, e assim iremos até a fonte no tempo certo que nosso dono definiu, e até o numero de pulsações de nossos corações são computados. Existe dois ditados que aclaram isso (Se um dia eu tiver que chorar, ninguem chora por mim) e outro ( não caira uma folha sequer sem que Deus queira) Portanto creio que amanhã seremos um aleijado ou um paupérrimo passando nesta vida, porque em outra fomos um corrupto ou criminoso para que se cumpra a justiça de Deus e a lei do Talião ( olho por olho e dente por dente) Se alguem quiser me explicar de outra forma, que me explique sem rodeios e sem buscar suposições em religiões ou em livros escritos por homens que se dizem ( Inspirados em Deus) Creio que Deus não precisa de interpretes para se comunicar conosco.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *