A sua religião é a errada, seu idiota

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

“Será que você nunca percebeu isso, que a sua religião não é a correta, que no fim de tudo você não será salvo. Ou você é um idiota que não consegue compreender isso. A minha religião é a correta! Porque você não vem pra minha igreja? Lá nós não temos essa idiotice que tem na sua. Por lá todos somos irmãos e o nosso deus é o verdadeiro.”

Esse é o discurso, um pouco atenuado, que você poderia ouvir de uma pessoa que não pertence à mesma religião que você. E você já parou para pensar qual a religião correta? No mundo existem mais de 10 mil religiões, todas dizem que o seu deus vai salvá-la, que ele é o que deve ser seguido, além das versões dos mandamentos que cada religião tem.

Mas se existe mais de 10 mil religiões no mundo, isso quer dizer que a minha é a correta, e que as outras 9.999 estão erradas. Você pode até não ter pensado nisso, mas de certa forma já contribuiu para essa teoria. Tudo não passa de um ponto de vista.

Há duas possibilidades: ou somente uma doutrina religiosa está correta, ou existem mais de 30 mil deuses, contando com as religiões politeístas. Será mesmo que 99,9% do mundo estão errados, e só você está certo? Será mesmo que só existe um deus? Será mesmo que deus existe? E se ele existe será que ele é o seu? E se você é cristão será mesmo que Deus é assim? E os ateus, estão errados mais de 10 mil vezes? Ou estão errados juntamente com os 99,9% do mundo. É uma coisa para se pensar.

Vamos supor, só supor, que só exista um deus. Que esse deus vive lá nós céus e que os outros deuses nas religiões politeístas são como os santos para o cristianismo. Imagine então que todos rezam para o mesmo deus. Não é mais legal pensar assim quando você acredita em deus? Pois a partir daí você passa a não mais criticar a religião do vizinho, pois sabe que você reza para a mesma pessoa, só que de formas diferentes, seguindo doutrinas diferentes, mas todos estão falando com a mesma pessoa.

E se você é ateu, você acredita em algo não? Mesmo que você não acredite em Deus, talvez você acredite, sei lá, que o Vasco seria campeão brasileiro em 2013. Certo. Então, qual a diferença? Todos os dois não temos certeza se existem/irão acontecer, mas acreditamos mesmo assim. Não preciso e nem quero que você acredite em Deus ou em um deus, mas que aceite o fato de que outra pessoa acredita por qualquer motivo que seja, nem que não haja motivo algum.

Eu acredito que um dia vou ganhar na Mega da Virada, mas não tenho prova nenhuma. Mas você que é cético a isso acha que não, a probabilidade é muito baixa, então por isso não vou ganhar. Mas se você acredita em um deus, então seria obrigado a acreditar em tudo que não sabe se é verdade, não é? Não, talvez você que é crente não acreditasse na vitória do Vasco, mas reclama do ateu que não acredita no seu deus.

Ou seja, o ponto de partida é acreditar no que você acredita, e deixar os outros acreditarem naquilo que eles querem. Sem julgamentos, sem preconceitos, por que se for assim, com certeza, a sua doutrina religiosa será a errada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *